sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Na ilha de Comino!



Mais parece ser um daqueles paraísos ídilicos, tipo Seychelles ou Maldivas, mas na realidade estamos "apenas" na ilha de Comino, uma das ilhas adjacentes e pertencente ao arquipélago de Malta! Na frente, o pequeno rochedo de Cominotto delimita a profundidade da água e daí surge a lagoa azul- um verdadeiro paraíso natural- onde passamos o meu aniversário!

Mas, também, não íamos ali ficar de papo pró ar, o dia inteiro, pois não?!
Sinceramente, o que me convenceu mesmo a querer visitar este país foram as dezenas de imagens que tinha visto pela net (abençoada!) da "pequena" lagoa paradisíaca desta diminuta ilha.






Contudo, como se sabe, nem tudo o que parece na  net é "real" (existem várias ferramentas que podem transformar/ alterar completamente uma foto) e, é claro, como estávamos no final do outubro, o clima podia não colaborar e tornar o dia um "fiasco".

Porque, verdade seja dita,  passar o meu aniversário longe da família e dos amigos, à exceção do meu marido, num país estranho foi a primeira vez que o fiz. E o meu objetivo principal era mesmo mergulhar naquelas águas límpidas azuladas, sem ondulação  e com uma agradável temperatura, quando optei por este destino, no meu dia de anos.


No porto de Cirkewwa

Mas assim foi. A partir da extremidade nordeste (Cirkewwa) da ilha de Malta apanhamos uma lancha rápida que num ápice nos levou até à lagoa azul (convém negociar sempre o preço e as condições do transporte, especialmente se um desses "transportadores" vem logo em direção ao nosso veículo, quando o estacionamos; existia concorrência, com certeza, e mais barata...hahaha).


A nossa lancha


O mar azulado forte dava agora lugar a uma límpida e grande "piscina" azulada clara e as condições climatéricas... perfeitas!




Tão perfeitas (sem vento, sem amplitude de marés e fraca ondulação, a não ser a de algum barco), que alugamos imediatamente duas cadeiras e um guarda sol, bem perto da água e em cima de uma parte do rochedo com areia (aconselho a quem venha, que o faça cedo, pois apesar de existirem muitas cadeiras espalhadas pelos rochedos há também muita clientela que ocupa rapidamente os melhores lugares).



Depois demos uns valentes mergulhos, tiramos fotos com uma máquina descartável aquática (cujas fotos ainda estão por revelar até hoje, mas eu prometo que depois coloco algumas, se ficar alguma coisa de jeito) e claro, ficamos tipo lagartixa a espairecer ao sol. Aproveitei para por a leitura em dia e o meu marido ainda se aventurou a ir até a Cominotto por duas vezes.




Senti-me, por breves momentos, nas caraíbas (delicia...hem)!




A mais pequena ilha do arquipélago maltês- Comino- é uma terra bravia com aroma a cominho (daí o seu nome), introduzido pelos romanos e conta com pouco mais de 4 habitantes e apenas um hotel (arrependi-me quase instantaneamente de não ter lá permanecido algumas noites).




Apesar deste hotel ter somente o único restaurante de Comino optamos por comer fast-food numa das inúmeras caravanas instaladas, ali perto da lagoa azul e depois demos uma bela volta até chegarmos à torre mais imponente de toda a ilha: a torre de Santa Maria.

Esta elevada torre de vigia com ameias foi construída em 1618, a mando do grão-mestre Wignacourt com a função principal de defesa, devido à sua localização estratégica entre as ilhas de Malta e a de Gozo, contra os piratas.




Um edifício atrás da torre constitui a aldeia (na foto seguinte, à direita), outrora um hospital de isolamento no inicio do século XX, onde estão albergados os poucos habitantes da ilha.




Na torre, além das vistas soberbas sobre as várias ilhas, existem também uns placards informativos sobre a biodiversidade marinha, fauna e flora, essas bastante variadas apesar da extrema aridez do local.




E depois coincidência das coincidências, quando íamos embora encontramos um casal algarvio, que por acaso o rapaz até é filho de uma das minhas colegas de trabalho (bem verdade quando dizem que "o mundo é pequeno"). No caminho de volta fizemos ainda um pequeno passeio às grutas existentes nessa ilha, onde nos maravilhamos com as cavidades naturais e a brilhante luminosidade da água.





No próximo post, não perca a oportunidade de conhecer a segunda maior ilha de Malta: a ilha de Gozo!

15 comentários:

  1. e isso era outubro???? que coisa linda!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O dia 23 de Outubro, para ser mais exata, o dia do meu aniversário (vaidosaaaa eu....hehe)! Bj

      Eliminar
  2. Que espectáculo. Tem mesmo um ar paradisíaco! :)

    ResponderEliminar
  3. Realmente isso é um paraíso!!!
    Temos de lá ir.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Para quê fazer voos enormes para ir ás Caraíbas com lugares como este aqui na Europa?? Talvez por isso nunca fui ás Caraíbas... :-)
    Malta parece bem interessante!
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  5. Amo as fotos.
    Que água tão cristalina.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Magda adoreiiii seu blog *---*
    Já estou seguindo

    http://www.sixteencandlesdiary.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  7. Meu Deus, que imagens lindas!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  8. those are some beautiful pictures! i miss the beach right now.. :(
    lots of love xx

    ResponderEliminar
  9. Estou tão invejosa...quase que tentei mergulhar através do ecrã.

    ResponderEliminar