quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Tenerife VII: Últimas actividades no sul

Mas o sul não vive só de praias, lojas, bares e discotecas. Existem outras atracções como o parque de diversões aquáticas (dizem que o Siam Park é o maior parque aquático da Europa), passeios de camelo, espectáculos medievais...mas que infelizmente não conseguimos (e também não quisemos) ir, por falta de tempo.

Mas antes de encerrar o capítulo sobre Tenerife (afinal já foram feitos seis posts sobre o assunto) vou escrever sobre as actividades realizadas nos últimos dias nesta ilha: visita ao Parque de Güímar, um bonito passeio de barco até Los Gigantes e uma hilariante massagem (hilariante, porquê? Perguntam vocês...continuem a ler até ao fim que já vão perceber porquê).


Pirâmides de Güímar


Numa linda manhã, com céu azul, partimos em direcção a Güímar (uma das mais antigas povoações da ilha) para visitar o Parque Etnográfico Pirámides de Güímar onde se encontram várias construções em forma piramidal e cuja origem não é totalmente conhecida, apesar de existirem várias teorias para a sua existência.


Na entrada do Parque


Podem-se aqui saber os detalhes das construções das pirâmides, a  orientação arqueoastronómica do complexo principal (apresenta alinhamento correspondente à trajetória do sol durante o solstício no Verão e no Inverno), as diversas escavações arqueológicas mundiais até ao momento assim como as teorias desenvolvidas pelo fundador do parque: o antropólogo, Norueguês, Thor Heyerdahl.

Este senhor realizou várias expedições utilizando reconstruções das embarcações mais antigas, conhecidas até hoje, tendo demonstrado a possibilidade de cruzar oceanos com elas, entre as quais se destaca: Kon-Tiki (1947), 8000 km em 101 dias desde o Perú até à Polinésia (Oceano Pacífico); Ra II (1970), 6100 km em 57 dias desde Marrocos até Barbados (Oceano Atlântico) e Tigris (1977/78), 6000 km em cinco meses pelo Rio Tigre e depois pelo Oceano Índico até à entrada do Mar Vermelho. Na seguinte foto vê-se bem a miniatura réplica da última embarcação citada.





Depois de termos visto o museu Casa Chacona, o auditório e uma sala de exposições, fomos conhecer as pirâmides e o seu amplo espaço exterior, uma verdadeira lição de história, não só das Canárias como do mundo, com grande valor cultural.




Enquanto, no interior, se pode admirar exemplares das várias embarcações utilizadas pelos descobridores  nas viagens pelo mundo (na foto abaixo está uma miniatura réplica da caravela Santa Maria utilizada por Cristobal Colon que esteve na ilha em 1492) ; aprender história sobre as populações indígenas da ilha (nas fotos abaixo estão objectos: de representação de sacrifícios humanos e antigos) e da conquista das ilhas das Canárias...





...no exterior, pode-se aprender sobre a fauna (é grande a variedade de lagartos, de diferentes tamanhos e cores) e a flora originária da ilha (exemplos: drago, papiro, pinheiro, cacto, cana comum), observadas nas fotos abaixo.

Também se encontra muita informação, em placards espalhados no jardim, sobre os factores de desenvolvimento nas ilhas das Canárias tais como:
- alimentação: o gofio, um prato típico composto por cereais torrados (trigo, cevada, milho, cevada ou mistura) amassados com água e sal ou adicionando-lhe leite, mel e frutos secos;
- trajes tradicionais (na foto abaixo o traje típico de Tenerife, representava no passado o vestuário utilizado pelas distintas classes sociais, actualmente é utilizada como peça de foclore);
- desportos tradicionais (luta, arrasto de gado, salto do pastor e jogo do pau);
- produtos de exportação: bebidas alcoolicas (vinhos e licor de banana), cochonilha (corante vermelho utilizado em tintas, cosméticos e aditivo alimentar extraído de um insecto), alimentos: banana e tomate;
- artesanato (rico em bordados);
- pesca e agricultura (especialmente a bananeira, introduzida pelos marinheiros Portugueses no século XV).






No último dia, fizemos um passeio num barco, semelhante ao da foto abaixo, cujo objectivo era a visualização de golfinhos e baleias no seu habitat natural. Infelizmente, não conseguimos ver baleias mas sim golfinhos por um curto espaço de tempo (e por causa da forte ondulação nem tirei fotos).





Depois do banho e do breve almoço dentro do barco passamos parte da tarde serenamente, ao contrário da manhã, a descansar e a admirar as maravilhas da costa desde Los Gigantes.


À direita (em baixo) viveiros de dourada e robalo


No final do dia,  aventurei-me com uma massagem (que deveria ser) relaxante com peixes vivos nos pés mas foi bastante hilariante (pelo menos durante os primeiros minutos foram gargalhadas e mais gargalhadas....hahaha). Depois de fazer a correcta limpeza dos pés, mergulhei-os dentro de um aquário que continha uma grande quantidade de peixes, uma espécie de carpas que imediatamente me "atacaram" e limparam as células mortas presentes na superfície da pele, deixando-a lisinha. Sete euros durante quinze minutos foi a conta da massagem mas valeu pela experiência!

No dia seguinte, o pouco tempo que tivemos deu para curtir as piscinas, o jacuzzi e o belo solário do último piso do hotel e para reflectir sobre estas férias, que afinal...

Afinal, nesta ilha descobri emoções singulares como na magnífica e dificil subida ao Teide, na cultural cidade de Santa Cruz, na turística playa das Américas, no animado Loro Parque, na impressionante paisagem de Los Gigantes e no deleite das paisagens das montanhas de Anaga, aliadas a uma temperatura amena, da qual já sinto saudades!

2 comentários:

  1. Estou aqui retribuindo a visitinha e adorei o seu blog!!!
    Adoro viagens, é claro!!! Bjs

    ResponderEliminar
  2. Seja então bem vinda Milena F! Bj grande

    ResponderEliminar