quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Museu Nacional Húngaro

Primeiro dia em Budapeste! Neste dia, no nosso roteiro estava incluído um tour pedestre gratuito (Free Budapest Walk, às 10.30H na Vörösmarthy Square) à volta da cidade mas mudamos de planos por causa da chuva miudinha de toda a manhã e fomos aprender um pouco sobre a história da Hungria no Museu Nacional Húngaro (Magyar Nemzeti Múzeum, em húngaro).

Dotado de um espólio riquíssimo em artefactos, este foi fundado no século XIX devido à doação de uma importante coleção do conde Ferenc Széchényi, num extraordinário edifício neoclássico cuja escadaria também serviu de palco ao início de uma importante rebelião que mudou a história do país.





Existem evidências arqueológicas que no período paleolítico já aqui existiriam antigos povoados junto ao estreitamento do rio Danúbio, o segundo maior rio da Europa!

Quando no século I d.C os Romanos conquistaram a região, na província da Panónia, fundaram Aquincum (hoje é possível ainda ver algumas destas escavações a alguns km da cidade).





Posteriormente, foi ocupada por outros povos entre os quais se incluem os Magiares (antepassados dos atuais Húngaros) no século IX e depois no século XVI pelos Turcos, que governaram Buda durante 150 anos. Estes, ao se instalarem no palácio real, Buda tornou-se a capital da Hungria Otomana. As igrejas foram transformadas em mesquitas e apareceram os numerosos banhos turcos (ainda hoje existentes, como os banhos Rudas, situados no lado Buda, oh aqui!).




Apesar de muitos destes edifícios terem sido arrasados durante os cercos dos Habsburgos contra os Otomanos, posteriormente, muitos deles foram convertidos em igrejas e modernizadas Buda e Peste, com a construção de muitos edifícios como este: o Museu Nacional Húngaro! Contudo, o ritmo lento das reformas levou à revolta de 1848, precisamente a partir dessa escadaria, quando o poeta Sándor Petöfi leu pela primeira vez o seu Hino Nacional, precipitando a revolta contra os Habsburgos.

Com o acordo de 1867, foi criado o império Austro-Húngaro e a união de Buda, Óbuda e Peste deram origem à magnifica cidade de Budapeste, principalmente durante o reinado da Rainha da Hungria e imperatriz Maria Teresa da Áustria.


Imperatriz Maria Teresa da Áustria 

Com o fim da primeira guerra mundial, a Hungria perdeu dois terços do seu território e o desejo de o recuperar levou ao país a apoiar a Alemanha na segunda guerra. E depois não só perdeu a guerra, como Budapeste foi invadida pelos Russos e grande parte da cidade ficou totalmente (e novamente) arrasada.

Depois de termos comprado os bilhetes (incluindo os 500 forints para as fotos) vimos os valiosos tesouros desta coleção, começando pelos Romanos com um valioso mosaico do século III d.C (na terceira foto) que reveste o chão do salão da ala Romana, seguido das coleções dos séculos XI-XVII e XVIII-XIX, separadas pelos vários salões, com os seus maravilhosos tetos, paredes revestidas, esculturas, ilustres quadros e peças de vestuário de outras épocas (que adorei).














O resto da (pouca) tarde foi passada a almoçar num dos melhores restaurantes da cidade (depois eu faço um post sobre ele) após o acinzentado passeio junto ao rio Danúbio.  

3 comentários:

  1. Belas fotos. Percebo os 6 museus em 5 dias, foi a chuvinha permanente não ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foram mais os 5 museus em 6 dias e foi mais o friozinho persistente. Abraço.

      Eliminar